AS ORIGENS DA UMBANDA

Amados Irmãos,

Eu já li diversas histórias sobre nossa Religião, mas esta que trago a vocês, merece toda a atenção de vocês, agradecemos a a Mãe Maria da Casa Branca de Oxalá – Lagoa Santa – MG pelo envio do texto , das figuras e das fotos abaixo, que Oxalá proteja todos os filhos desta Iluminada Casa.

Estejam todos em paz!

AS ORIGENS DA UMBANDA

Boletim Informativo da Federação Nacional das Sociedades Religiosa de Umbanda – Nº 1 – Ano I – Fevereiro – 1982

cacbolo7encrz-2.JPG

Caboclo das Sete Encruzilhadas

Religião de raízes antiqüíssimas, cujas origens remontam a eras anteriores ao Cristianismo, sua liturgia encontra-se a cada passo do Velho e do Novo Testamaneto, nos Templos do Egito e da Índia antiga e na própria Igreja Católica. Por mais remota que seja uma religião, nela encontraremos os vestígios da Umbanda; ou, sob outro ponto de vista, de cada uma delas a Umbanda dos nossos dias colheu uma contribuição para consolidar a sua própria liturgia.

Mas assim como a velha religião mosaica, à qual pertenciam os homens que falavam face a face com o próprio Deus, teve que ser expurgada por Jesus de todo rito impuro, a Umbanda deixou para trás a seita que os cientistas classificaram de animismo fetichista e, libertada dos rituais pesados, complexos e, por vezes, contrários ás normas de bondade, caridade e perdão, passou a ser o caminho mais simples e acessível para o homem se reaproximar do Criador.

José Álvares Pessoa (1944)

Os conceitos de Zélio de Moraes são hoje defendidos e propagados pela Aliança Umbandista do Estado do Rio de Janeiro que, desde sua fundação, levantou a bandeira do Caboclo das Sete Encruzilhadas e defende sua doutrina. Temos certeza de que jamais os ideais de Zélio de Moraes serão esquecidos pela ALUERJ e suas filiadas, que se dedicam à Linha do Caboclo das Sete Encruzilhadas, com a disposição de continuarem sempre dentro dessa linha de trabalho que será, mais hoje mais amanhã a que definirá os rumos verdadeiros da Umbanda.

Floriano Manoel da Fonseca

Em fins do século passado existiam, no Rio de Janeiro, várias modalidades de culto que denotavam nitidamente a origem africana, embora já bem distanciadas da crença trazida pelos escravos. A magia dos velhos africanos, transmitidas oralmente através de gerações, desvirtuara-se, mescladas com as feitiçarias provindas de Portugal onde, no dizer de Morales de los Rios, existiram sempre feitiços, rezas e superstições.

LEIA O TEXTO COMPLETO (clique)

Sobre Administrador

Eu tento fazer a minha parte para poder divulgar a minha Religião.
Esse post foi publicado em UMBANDA. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s