UMBANDA – UMA SEITA AFRO?

Cláudio Zeus – 18/05/2007

POR QUE É IMPORTANTE SABERMOS QUE O TERMO UMBANDA, COMO CULTO OU RELIGIÃO, PERTENCE AO CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS

A importância da divulgação desse tema se prende a fatores que, embora possam parecer fúteis, a uma primeira vista,(e apenas a UMA PRIMEIRA VISTA) na verdade coloca freios em muita gente que insiste que faz Umbanda e que, além de não conhecer suas orígens, NADA FAZ DE UMBANDA – é isso que incomoda e faz com que muitos tentem MINIMIZAR ou até mesmo DESQUALIFICAR a importância que Zélio e o Caboclo das Sete Encruzilhadas tem para o que ELE chamou UMBANDA.
Vou tentar explicar os meandros e as segundas intenções desse tema de debate que muito se vê pelas comunidades do Orkut, MSN e outros..

1º PONTO – NUNCA, NINGUÉM HAVIA CHAMADO DE UMBANDA A NENHUM TIPO DE CULTO ANTERIORMENTE. O que tentam fazer hoje, é aproximar o termo embanda (afro) que quer dizer curandeiro para uns (e chefe de culto para outros) e NÃO ALGUM TIPO DE CULTO como esse que o Caboclo chamou UMBANDA – O CULTO;

2º PONTO – O Caboclo deixou algumas informações precisas sobre o que seria UMBANDA, e isso é o que incomoda mais porque, se observarmos essas diretrizes, aí sim, veremos que alguns grupamentos não poderiam se chamar de Umbanda, o que leva alguns outros a “desconhecerem”, muito propositalmente, o texto que será apresentado abaixo e chegarem a dizer que o que o Caboclo fez foi apenas uma “socialização” do que já havia antes, o que, para qualquer um que saiba ler (e nem precisa interpretar) vai perceber que não poderia ser.

Vamos ver o que o Caboclo nos deixou de informações sobre o CULTO que ele mesmo dizia INICIAR-SE NAQUELE DIA.

PRESTE ATENÇÃO PORQUE AQUI SE DEFINE O QUE É A UMBANDA DO CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS :
(PALAVRAS DO CABOCLO)

Aqui inicia-se um novo culto em que os espíritos de pretos velhos africanos, que haviam sido escravos e que desencarnaram não encontram campo de ação nos remanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas quase que exclusivamente para os trabalhos de feitiçaria e os índios nativos da nossa terra, poderão trabalhar em benefícios dos seus irmãos encarnados, qualquer que seja a cor, raça, credo ou posição social. A pratica da caridade no sentido do amor fraterno, será a característica principal deste culto, que tem base no Evangelho de Jesus e como mestre supremo Cristo“.

Percebemos então, nestes 3 trechos em azul que:

a) Esse era UM NOVO CULTO – O Caboclo afirmou SER UM NOVO CULTO E NÃO UMA CORRUPTELA DE ALGO JÁ EXISTENTE;

b) Que esse NOVO CULTO se distanciava das seitas negras deturpadas e dirigidas para a feitiçaria, porque os próprios Pretos Velhos africanos e os índios Nativos de nossa Terra (Os chamados Caboclos) não encontravam Campo de Ação (possibilidade de trabalharem) nesses grupamentos – Isso era o que existia antes e era disso que a UMBANDA, ENTÃO CRIADA, DEVERIA SE
DISTANCIAR.

c) Esse seria UM CULTO EMBASADO NO EVANGELHO DE JESUS, reconhecendo-o, inclusive, como “MESTRE SUPREMO”.

Por que eu lhe afirmo que DIVULGAR ISSO, inclusive até mesmo a existência de Zélio e do Caboclo, não se torna interessante para uma grande parte?

Porque, após a CRIAÇÃO e não SOCIALIZAÇÃO OU CODIFICAÇÃO DO QUE JÁ EXISTIA, muitos dos inúmeros grupamentos já existentes, (como acontece até hoje), passaram a se auto-denominar UMBANDA, mesmo passando por cima desses PRECEITOS DEIXADOS PELO CABOCLO, criando-se então, a confusão que encontramos hoje, inclusive com alguns afirmando que a Umbanda tem que se afastar dos ensinamentos cristãos e abraçar mais os fundamentos afro…. Mas como isso poderia ser, se a UMBANDA foi criada em cima de bases Cristãs?

O que se percebe então? Percebe-se que há um movimento deturpatório do que foi deixado pelo CDSE, em função das “vontades” daqueles que resolveram ir fazer cabeça no Candomblé e depois vieram “bater Umbanda”, como gostam de dizer. Ora … bater Umbanda, como se Umbanda fosse Candomblé?

Em Candomblé sim, “se bate para os orixás” porque os Xirês são nada mais do que festividades, TOQUES, como também chamam, em louvor aos orixás e nunca foram giras de CARIDADE. Todos os atendimentos em Candomblés de Raiz só são feitos pelo Babalorixá ou Yalorixá e através dos jogos de buzios, opelês (em menor quantidade) e obis. Não há consultas dentro dos Xirês e, nos que HOJE há, é porque já se modificaram e se distanciaram de suas raízes, até porque, quem bate papo e dá consultas são os EGUNS ou CATIÇOS, como são chamados alguns tipos de Caboclos e entidades intermediárias. E vejam que até hoje, os PRETOS VELHOS, que seriam remanescentes dessa mesma crença, por “terem sido escravos, negros e africanos” ainda não são aceitos na maioria dos Candomblés. Alguns aceitaram alguns Caboclos porque muitos ainda crêem que eles também são ENCANTADOS.

Minimizar, ou não divulgar o que era a VERDADEIRA UMBANDA, a DE RAIZ, a DO CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS é, e sempre será importante para os que têm medo da verdade e pretendem abrir Terreiros com fundamentos estranhos, de matanças, feitiçarias, amarrações, etc, e se anunciarem como Umbanda.

No meu entender, o mais honesto seria que cada grupamento que hoje se diz apenas de Umbanda, se intitulasse, como outros que já o fazem, por exemplo: Umbanda Omolocô, Umbanda Cabula, Esotérica, de Angola e outras mais, já que fogem às Regras básicas que o Caboclo deixou para o SEU NOVO CULTO (ou seja: não são de bases cristãs), para não deixarem aqueles que nada entendem disso sem saberem, afinal, a que tipo de Umbanda estão adentrando.

O que essas pessoas têm que colocar na cabeça é que o nome UMBANDA, COMO CULTO, pertence ao CDSE (ainda que ele não a tenha registrado) e mesmo eu ou você, que praticamos a UMBANDA TRAÇADA (que é diferente da UMBANDOMBLÉ embora muitos confundam), temos que reconhecer que não seguimos a linha doutrinária determinada pelo CDSE – UMBANDA COM BASE TOTALMENTE CRISTÃ – o que não nos tira qualquer valor ou mérito, já que os objetivos finais – CARIDADE E AMOR FRATERNO – também são buscados, apenas por caminhos diferentes.

O que essas pessoas têm que pôr na cabeça é que devem assumir o tipo ou sub-grupo de Umbanda que seguem e, jamais quererem mudar o principal da Umbanda que é a fé, a caridade, o amor ao próximo e, principalmente, também devem assumir que, se estão ligados a espíritos e encarnados que só sabem fazer feitiçarias, mandingas, amarrações, intrigas, então, nem o nome UMBANDA deveria ser usado em seus cultos, já que, desde a criação, isso foi contrariado pelo Caboclo.

Escrevi acima que Umbanda Traçada é diferente de Umbandomblé e, para muitos isso pode parecer estranho, mas não é. Acontece que existem, generalizando, três tipos de umbanda e as explico abaixo:

1- UMBANDA – A que foi criada pelo CDSE, com bases claramente CRISTÃS – até os Terreiros que foram criados pelo Caboclo tinham nomes de SANTOS CATÓLICOS. Os praticantes dessa Umbanda não admitiam (e acho que ainda não admitem) bebidas ou atabaques em seus rituais. Quando muito, o fumo das entidades;

2- UMBANDA TRAÇADA – A que admitiu (a princípio ou posteriormente) a presença (como trabalhadores) dos Exus e Pomba Giras, personagens da QUIMBANDA que eram até temidos no início e hoje já viraram guardiães, e outras entidades intermediárias, trabalhadores de excelente performance, sempre visando a CARIDADE, porque, se assim não for, não podem se considerar Umbanda. É chamada de TRAÇADA ou CRUZADA porque nela existe o cruzamento (ou entrelaçamento) de dois tipos de trabalhadores: os de UMBANDA (Caboclos – índios nativos – e Pretos Velhos) e os de QUIMBANDA (Exus, Pomba Giras, Bugres, malandros, etc.);

3- UMBANDOMBLÉ – Todas as Umbandas que praticam em seus cultos, os ritos absorvidos dos Candomblés, seja de que nação forem. Nessas Umbandas há “toques” para orixás, costumam usar brajás ao invés de guias, recolhem “filhos de santo”, usam quelês, sacrificam e colocam “oxu” nos oris de seus adeptos … e por aí vai. O que as assemelha à Umbanda original e as afasta do Candomblé de Raiz é o trabalho com entidades tipo Pretos Velhos e Caboclos e mesmo Exus infiltrados (porque esses não são os orixás-exu das nações) que vêm, …… aí sim, trabalhar para a CARIDADE.

As Umbadas TRAÇADAS ou CRUZADAS não absorveram, necessariamente, ritos e práticas afro, e essa é a grande diferença delas para a Umbandomblé.
Algumas até absorveram mais algumas entidades de Catimbó e outros grupamentos de raizes nordestinas e outras ainda, preferiram “cruzar” seus ensinamentos com os dos “mestres orientais”.

Eu colocaria ainda, como sub-grupo das Umbandas Traçadas ou Cruzadas, as Umbandas Esotéricas e mesmo as Iniciáticas, já que nelas, além dos trabalhos com as entidades já citadas, existe a adaptação de ensinamentos e até mesmo de entidades tidas como “orientais” e sábios de outras nações que não as africanas.

E diria mais ainda: Em termos de abertura para novas aprendizagens, a Umbanda Traçada é a que mais se encontra nessa posição, já que as outras duas tendem a se prender muito em suas raízes (ou cristãs, ou afro) e desmerecerem alguns dos conhecimentos mais modernos que nos chegam através de outras correntes de espíritos e mesmo da ciência.

Que isso não seja tomado como desmerecimento para qualquer tipo de Umbanda pois, guardadas as devidas proporções e se o culto visa A CARIDADE, O AMOR FRATERNO E A FÉ, então todas têm em si a semente de UMBANDA, ainda que não sejam exatamente a que o CDSE CRIOU.

Agora, se alguém cria um agrupamento para misturar cultos “ao deus dará”, explorar a caridade, impingir medos aos seus seguidores, sair matando cães e gatos pra saciar suas sedes de sangue e de impressionismo … aí, pelo amor de deus, ……. isso não pode ser chamado de UMBANDA!!!

Custa muito as diversas Umbandas se identificarem por suas Raízes ou suas doutrinas para que nem tudo seja apenas Umbanda? Vão ficar menos Umbanda por causa disto?

Vamos a um raciocínio?

Imaginemos que você que agora me lê, através de uma entidade ou não, venha a criar amanhã, um NOVO CULTO espiritualista, digamos … ALABANDA, e nos diz que este será UM NOVO CULTO que só fará trabalhos através dos CIGANOS E BOIADEIROS, por exemplo e também será voltado EXCLUSIVAMENTE para as práticas ciganas e a magia dos boiadeiros.
Depois de alguns anos você vê que alguns outros grupos passaram a se auto-denominar ALABANDA, trabalham com mineiros, com orixás de Nação e suas “obrigações”, com Exus, Caboclos, Pretos Velhos, baianos, malandros, tentam decifrar o que seria ALABANDA mas não ousam perguntar a você, que foi o(a) criador(a), o que seria, e ainda por cima, depois disso tudo ainda começam a discutir porque acham que Alabanda deveria “voltar às raizes afro” já que os “orixás” são afro.

O que você diria, HONESTAMENTE?

Foi isso o que aconteceu com a Umbanda criada pelo Caboclo das Sete Ecruzilhadas.

Não seria melhor que cada Alabanda dessas que se formou após, se identificasse convenientemente?

Eis aí o porquê de, desde muitos anos atrás (isso não é de hoje), já se falar de codificação de Umbanda e até hoje, ninguém saber exatamente qual das Umbandas se vai codificar – todas não dá mesmo!

De minha parte posso lhes dizer que a Umbanda que eu pratico é totalmente Cruzada e praticamente nada nela existe de Ritual de Nação Afro, embora tenha que conhecer alguns fundamentos para casos em que certos problemas mediúnicos tenham origem em entidades específicas . Talvez a melhor descrição para ela seria de UMBANDA ABERTA. Sempre aberta para melhores conhecimentos e aprimoramentos ritualísticos tque realmente possam ter fundamento, venham de onde vierem.

Aceito comentários, críticas e complementações.

Este texto foi cedido gentilmente pelo irmão Cláudio Zeus do Blog UMBANDA SEM MEDO (clique) para Povo de Aruanda caso você queira fazer um comentário a respeito do mesmo fique à vontade, caso queira fazer um comentário diretamente no Blog do nosso Irmão basta você clicar em: ENVIAR UM COMENTÁRIO



LEIA TÁMBÉM:

ENTREVISTA COM DONA LYGIA CUNHA – NETA DE ZÉLIO (clique)

Sobre Administrador

Eu tento fazer a minha parte para poder divulgar a minha Religião.
Esse post foi publicado em UMBANDA. Bookmark o link permanente.

2 respostas para UMBANDA – UMA SEITA AFRO?

  1. antonio disse:

    Gostaria de dizer que talvez se a maioria dos terreiros que foram fundados depois do ano de 1908, seguissem a orientação do CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS, teriamos a UMBANDA mais respeitada, e ficaria mais fácil para as pessoas identificar UMBANDA de outros cultos. Como nos ensina nossas entidades devemos respeitar todas, e cada um segue a que mais lhe convier.

  2. Luiza disse:

    Muito boa e convincente a sua explicacao!O pouco que tenho lido a respeito, pois iniciei na umbanda ha poucos meses, fala exatamente o que vc falou, sa confusao dos conceitos e nomeacoes e, principalmente, das praticas… Eu, por exemplo, tinha muito preconceito antes, soh de ouvir falar ja franzia a testa e repudiava. Foi preciso ir ate um centro de umbanda ABERTA para entender o que ela significa. Os caminhos da vida me levaram surpreendentemente ateh ela e hoje estou muito realizada e feliz, tentando crescer e aprender, para depois ensinar o que aprendi, por meio da Umbanda.

    Saravah

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s