MACUMBA EXISTE?

Autor: José Queid Tufaile

Um conhecido nosso, já desencarnado, era católico fervoroso. Andava por todos os lugares com folhetinho de Nossa Senhora no bolso da camisa. Sempre que ouvia falar de feitiços, fazia questão de mostrar a todos os presentes a sua santinha e dizer: “Não acredito nisso. Se é que existe esta tal de macumba, mandem fazer para mim”. Exibia, então, a santinha, e completava: “Está aqui minha protetora. Nela eu confio”.

Certo dia, tendo entrado numa mercearia vizinha de sua casa, acabou pegando uma conversa pela metade. Nela, algumas pessoas falavam de trabalhos de macumba. Ele, como fazia muitas vezes, não deixou por menos: foi logo fazendo seu costumeiro desdém, apresentando a todos sua santinha protetora.

Lá no canto do balcão estava encostado um homem moreno, meia idade, que tomava seu golinho de cachaça. Nosso conhecido nem desconfiava que o tal senhor era o pivô de toda a conversa.

Depois de falar que macumba era bobagem, e que os macumbeiros poderiam mandar seus “trabalhos” sobre ele, pois sua santinha o protegeria, ele ouviu o que não esperava. O baixinho do canto do balcão pegou o copo de cachaça, jogou um golinho no chão, e disse: “É bom mesmo que tua santa te proteja, pois assim que o amigo dela se afastar, correndo vais mandar me chamar”. Terminou sua cachaçinha e despediu-se com um “inté!”.

Nosso amigo disse que tinha saído dali firme na fé, mas no fundo, havia ficado preocupado com a história do desconhecido.

Ao chegar em casa preparou-se para o banho. Tirou a camisa como sempre fazia e, bruscamente, ficou “tomado” de um Espírito desordeiro que tudo fazia para jogá-lo ao chão. Se colocava a camisa o Espírito saía, se tirava a camisa o Espírito o subjugava.

No outro dia, mal se abrira a mercearia, o dono, seu Manoel, encontrou a figura do nosso conhecido, apavorado, lá fora. O vendeiro, estranhando aquela presença tão cedo, arriscou: “Bom dia freguês. O senhor já por aqui? Veio buscar pão?”. Ele respondeu: “Não, seu Manoel, eu preciso que você chame depressa aquele homenzinho de ontem”.

Chamaram. Ele chegou com olhar meio maroto, cumprimentou os presentes e, num cantinho da venda, fechou os olhos e rezou sabe-se lá prá quem. Daí a pouco, disse: “Pode ir meu compadre, agora está tudo bem”. E lá se foi nosso amigo, agora com mais cuidado com suas falas.

Sempre que seus amigos o encontravam, logo lhe perguntavam: “E então, como é que é? Agora você acredita em macumba?”. Ele, então, respondia: “Acreditar eu não acredito, mas também não abuso”.

Sobre Administrador

Eu tento fazer a minha parte para poder divulgar a minha Religião.
Esse post foi publicado em UMBANDA. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s